domingo, 16 de outubro de 2016

Minha pele - Sergio Martins





Minha pele é fosca e desfolhada pela vista para o mar e pelo lugar ao sol que jamais conhecerá.
O brilho dessa epiderme reflete a feiura e a sujeira dos deuses e da urbe..
É dela o cansaço da elegância burguesa, o peso incômodo dos milenares atrasos sociais: película barata da sociedade, mais um filme queimado e obsoleto, camada obscura à margem dos marginais...
Minha pele retalhada de mínimos e atrasados salários é mão de obra escrava e tem as marcas que o INSS não pode apagar; a justiça não pode calcular os ressarcimentos de suas escoriações.
Minha pele marcada pelo senhor do império é produto barato da África para o enriquecimento da corte, seus machucados cantam a morte do eu lírico e de toda a pele explorada e exploradora dos sonhos que não podem ser realizados; pois é séculos e desse pós-moderno-neoliberal que advém seu sangue pisado pelos reis e Reais que jamais hão de sará-la.


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas