sábado, 24 de fevereiro de 2018

Dos olhos que são poesia - Sergio Martins




Em meio à guerra, talvez, seja o ato de maior subversão o olhar poético. São dele, a insaciabilidade pela beleza, o desejo pelo Éden... Ele é o modo mais cristalino de pensar a vida, pois nele não há o embaço da realidade...           
                                                               
Meus olhos são subversivos, mas, sobretudo, espirituais – direcionados às flores do meu quintal, são velas acesas no apagão existencial, pois devotam luzes de alegria ao altar-mor... Nesse instante, estou novamente no jardim – da infância – em comunhão com o sagrado. Penso que Deus seja, como pensou Fernando Pessoa, uma criança que brinca no Éden. Jesus pensava semelhantemente: quem não se tornar como uma criança jamais verá o Reino de Deus.                                                                                     
No crepúsculo matinal, vejo que as florezinhas estão molhadas e lembro-me de Vinícius de Moraes: “A felicidade é como a gota de orvalho numa pétala de flor”. A cada dia o cuidado divino nos alcança na proporção que precisamos, daí, não haver a necessidade da inquietação pelo dia de amanhã – basta a cada dia o seu mal...

Às 18h o sino da igreja me aconselha: Tempus Fugit! Carpe Diem! Eu sorrio, convicto de ter colhido com os olhos todo o presente do meu dia... Ao anoitecer (regarei as flores – a arte do cuidado dá sentido à vida), essa rotina dos olhos poéticos me traz a novidade: estou pronto para um novo dia. Apesar da guerra, hei de chamá-lo de presente feito criança diante de um mundo a ser descoberto...


quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Olhos de comer - por Sergio Martins






Com o avanço da idade tendemos a ver tudo em sua mais chata repetição. Isso é mais que normal. O que chateia o mundo são os olhos poéticos que contradizem a lógica, pondo em tudo no mundo uma animação, e, como adorassem ao Sagrado, acendem pequenas luzes para a Luz Maior – como diria T.S. Elliot. 
No mundo-mutante que gira numa velocidade incrível, não o acompanharmos seria trágico: as palmeiras resistem aos ventos, ao passo que os inflexíveis, quebram-se.
Outro dia vi uma borboleta, coisa rara por aqui (o progresso acabou com as angelicais criaturas). Perguntei aos que estavam ao meu lado se eles também viram a teofania; mas para minha surpresa, eles só entendem por teofania as dádivas dos recursos financeiros – obtidas mediante barganhas com os deuses...
Noutra ocasião, meus olhos se alimentaram de um arco-íris, a chuva ainda musicava sobre um sorriso que eu degustava, à noite seria a grande lua, outros sorrisos e danças... Quando subi a montanha e fiz rapel, entendi a filosofia: “só depois de deixarmos a cidade é que veremos a que altura estão as torres. Acima das casas”. A beleza vista do topo da montanha eliminou o medo de altura; ali compreendi a máxima teológica: “o verdadeiro amor lança fora todo o medo”.
Agora, são as violetas e as pequenas rosas do meu quintal que me põem na perdição dos olhos. O que me faz apreciá-las a cada manhã? Qual a razão de eu me apaixonar todos os dias pela mesma imagem? Ah! Esses olhos de comer poesia...
A observação e a experimentação não são meios exclusivos dos poetas, para a obtenção de resultados lógicos, a ciência e a teologia se valem dos mesmos recursos: “Olhai os lírios dos campos...” “Olhai as aves...” “Provai e vede que o Senhor é bom...”
O certo é que não há mais solução para os olhos poéticos, se estou cabisbaixo de tristeza, vejo o cuidado divino nos lírios, se ergo a cabeça, as aves me ensinam que mesmo sem plantar, têm tudo o que necessitam.
Olhar, olhar, olhar... Experimentar, alimentar-se... Abstrair-se da poluição visual e das miragens produzidas pelo deserto humano-existencial, captar o óbvio: os olhos necessitam se alimentar - da comida divina que nunca falta em detrimento da abundância dos males... As vantagens de caminhar neste contrassenso humano é se alinhar ao equilíbrio do universo. Daí a paz em meio à guerra e não ser dependente dos milagres do capitalismo para a aquisição de tudo o que realmente é essencial à vida. Os olhos de comer têm pressa e a vida está acontecendo no tempo-presente-divino...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas