quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Sergio Martins - Ensaio sobre divindades








  Nem o conceito oriental sobre Deus como sendo a força emanente e transcendente, nem a concepção-máxima-teológica que rege as vertentes religiosas advindas do cristianismo ocidental; a qual, define ser Ele, um ser pessoal, totalmente bom e que controla todas as coisas dentro e fora do universo. Para mim, acredito que a divindade suprema deveria ser feminina, um grande seio que nos amenta, um colo materno; isto já excluiria o machismo e outros "ismos" que O fizeram "à imagem e à semelhança do macho".             

     Eu creio é no Grande Mistério. Ora, a Graça está no devir do conhecimento, no prazer da procura e não na "semgracice" dos "explicacionismos". É a sensualidade que me provoca a atenção, o apetite e o prazer, é no erotismo de uma flor que, em desabotoando, bem devagar, pétala por pétala, diante das alegrias e tristezas diárias e naturais, se contrapõe a toda explicação pornográfica dos religiosos que nos rouba o direito do imprevisível, da poética que revela caminhos, questiona e saboreia em vez de criar definições; e é da surpresa, do espanto e do questionamento filosófico diante do óbvio e inexplicável, que se faz um caminho reticente, cheio de luzes e cores. 

 "As circunstâncias, as motivações e os conceitos sobre as divindades, sem a perspectiva da razão lírica e do pensamento crítico-filosófico, é apenas uma extensão das patologias inconscientes que a psicanálise sabe bem explicar nos seus ensaios sobre sexualidade, medo, posse, culpa, aversão, medo..."

  A cada dia amo mais intensamente a beleza e a ela prostro e silencio-me em adoração. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas