domingo, 6 de janeiro de 2019

Ganha-pão




Zezinho detestava estudar pela manhã, mas às segundas-feiras acordava bem cedo para ir à aula de Educação Física. Essa era a única disciplina que gostava, pois lhe dava a oportunidade de exercer seu talento para o futebol. O pai pediu-lhe que não demorasse para trazer o pão, temendo atrasar-se no trabalho. O garoto, sabedor que na ali na favela sempre faltava merenda na escola, tratou logo de garantir sua primeira refeição do dia. Na saída padaria, um cachorro magrelo e esfomeado abanava a cauda pedindo-lhe o pão. Xô, cachorro!
O cãozinho parou, abaixou a cabeça, mas insistindo conquistar seu bocado diário, retornou; quando Zezinho deu as costas Xô, cachorro!
Os carros da Polícia subiam velozes o morro. Assustado, o moleque encostou-se à parede, desceu devagar, sentou-se no chão; recolhido do mundo horripilante.
Xô, cachorro! Gritou um Policial.
O menino se levantou. Notando a distração do garoto, o vira-lata saltou, conquistando um pão.
Xooooooooooo, pulguento!!! Gritou o PM.
O moleque correu em disparada. O esquelético cãozinho, orgulhoso de vencer mais uma batalha, correu pelo canto da viela exibindo o alimento entre seus dentes como um troféu.
– Xô, cachorrada! Ladravam os cães do Estado.
A roda de vadios espalhou-se em debandada, entre xingamentos e latidos de vira-latas. A matilha se dispersava pelos becos, sumiam pelo morro acima. Os raivosos de raça vinham logo atrás, disparando o terror, num lastro de projéteis e estampidos de guerra.
Já no portão de casa, Zezinho driblava os policiais que rodeavam os corpos estirados pelo chão. Um policial fez a revista. Lançou os pães no chão para conferir se havia alguma droga no saco, os cachorros famintos abocanharam tudo. Com muito esforço, o guri convenceu o policial a deixá-lo passar pelo portão.
No barraco, sem os pães, o pai surrou o garoto, sabido que perderia o seu ganha-pão porque os policiais não o deixariam sair, e outra vez chegaria atrasado no serviço; o que o seu patrão lhe avisara que seria imperdoável.
Hostilizada pelos favelados, a brutalidade canina do poder público se retirava do morro e, alimentada de vingança, exibia os corpos vencidos que pintavam aquele solo barrento de um vívido vermelho-Brasil. Os porta-malas mal cabiam de tanta presa. Certamente, um dia muito proveitoso, o delegado se orgulharia da matéria na TV com tantas apreensões e mortes de vagabundos, o que agradaria seus chefes. À noite, pelas vielas, de pouco em pouco surgiam outros cachorros em busca do ganha-pão de todos os dias.


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas