sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Borboletas - Sergio Martins







Pousou. Ascendeu. Deslizou. Acalmou-me:
Planei no céu. Abriu o segredo e contou-me.
Violão do corpo à alma, novo se fez,
flor colorida confundiu-se com sua tez,
como fosse alegria de primeira vez
toda a nossa beleza que se refez.


Abandonando o prazer de um farol
mergulhou ao encontro do sol:
minha sombra despida, a razão faz valer,
na timidez de tocar-me, no orgulho de sua luz obter...

O que traz um sensível olhar às estrelas
devolve-me a graça nas incertezas...
Se tropeçante e com medo abro as janelas pra acreditar,
já não me apresso em entender o seu levitar...
Minhas asas são – suas -,
as curvas que me obrigam - suas ruas -,
ao vulnerável atalho dessas - águas turvas, brumas -,
duas luas - vibrantes em suas palpitações mudas -,
é cada olhar no castanho mar  - dóceis uvas -,
é feitiço marulhando - almas impuras-;
borboletas recém-enclausuradas provando, sorrindo e nuas.

2 comentários:

Severa Cabral(escritora) disse...

Desejos de um lindo domingo!!!!!
Belo desejo...escrita sincera e inspiradora...
Um encanto para nossos corações!!
Beijos mil,
Deus lhe abençoe e aos seus,
Lindo e Abençoado Domingo!!

Flor de Lótus disse...

Olá,Sérgio!Lindos versos eu sou apaixonada pelas borboletas elas são um belo exemplo de transformação e servem para nos mostrar que tudo pode mudar quando menos esperamos.
Beijosss

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas