quarta-feira, 18 de maio de 2011

A beleza da morte - parte 3 - por Sergio Martins


(...) De qualquer forma, a morte das folhas me fez entrar em contato com o alto preço da árvore; pois a presença da morte nos permite valorizar tudo o que gratuitamente recebemos da vida. Ali, aprendi que na vida, absurda e naturalmente, existe a beleza que só se pode ser emitida pela morte e que a vida e a morte são belas porque agem, inexplicavelmente, em plena comunhão – no túmulo –: lugar onde as pessoas ofertam a beleza para aquele que vai ao encontro do eterno mistério na mente humana – a morte –; e a morte dizendo que não é uma despedida eterna – as folhas voltarão a se encontrar pelo chão – pois ela, a sedutora dama da noite (morte), também está grata por receber os bouquet`s – ritual de amor em torno do caixão de quem acaba de entrar em uma nova vida.
Semelhantemente ao amigo que se impôs à ação de quem recolhia as folhas, não me contive; abracei sua loucura manifestando minha indignação e defronte ao túmulo das folhas, sentei abaixo da amendoeira e fiz meu próprio epitáfio como quem oferta por gratidão uma coroa de vívidas flores: "senti as brisas matinais das primaveras, tentei eternizar os crepúsculos outonais em telas e em escritos, descrever meu íntimo nas noites de verão e dissecar a tristeza dos invernos; e só descobri mais possibilidades de me encontrar nos caminhos que cediam ruas para eu me perder. E assim, as coisas e pessoas se voltaram para mim com um novo olhar, pois, tudo o que mudava a minha volta, voltava para mudar tudo em mim, daí, a minha visão estranha para o mundo: as doçuras e amarguras que degustei, as bebidas que provei, os sonhos que me subtraíram o sono, os desejos que me sobrevieram sem permissão alguma, meus desatinos e decepções, meus textos simplistas e repetitivos, meus desenhos tortuosos, minhas músicas defeituosas... tudo. Absolutamente tudo, me deu a certeza de que caminhei à vela dos melhores ventos...

Imagem: Google

8 comentários:

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Sérgio, "caminheià vela dos melhores ventos" - um texto que nos leva a compreensão da intensidade de nos presentificar , vivendo com inteireza e intensidade, liberdade e alma passarinheira, cada minuto, com os melhores ventos nos levando para os voos da vida de sonhos e paixão
Abraços com carinho; Jorge Bichuetti - Utopia Ativa

lita duarte disse...

Oi, Sérgio.

Um texto belo e profundo.

Bjos.

lita duarte disse...

Oi, Sérgio.

Um texto belo e profundo.

Bjos.

Nel Santos disse...

Oi, Sergio!
Nunca antes, havia lido um epitáfio tão belo! Parece incrível mas há poesia até na morte!

Que caminhes à vela dos melhores ventos, amigo!

Grande bj!!!

Ma Ferreira disse...

Oi Serginho ( ja to intima rs ).
O tema morte gera um certo calafrio. Mas no contexto esta perfeito. E sua escrita é maravilhosa.
O renascer de uma consciencia plena, onde se olhe para o lado bom da vida, lado este que existe, só depende de nosso olhar.
Eu escolho em que direção olhar. Não deixo meu intelecto me levar..O intelecto racionaliza..
deixo o coração..este é meu companheiro de viagem.

Bjkas

Ma

claudete disse...

Sérgio...na verdade encaro como você... a morte como passaporte para a vida...vida terrena sob um novo olhar , como você bem colocou...vida espiritual desabrochar para uma liberdade de vôo que transcende ao tempo racional..nela tudo podemos e realizamos em direção à Luz que buscamos para nossa vida. Belo tema.

angela disse...

Um belo texto e uma bonita reflexão.
beijo

Long Haired Lady disse...

nunca tinha pensado nas folhas secas que tanto amo como uma morte…

pensando assim, ela pode ser bela!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas