segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A feira - parte 3 - por Sergio Martins




Toda aquela correria antipoética da multidão deixou de me incomodar porque eu só tinha alma para a pitanga sedosa dos lábios majestosos da linda serrana que amadureceu levando-me ao interior de sua floresta de onde fluía um inebriante perfume que entranhava todas as raízes do meu corpo feito música incansável, cujos acordes se faziam em sussurros aos pés de sua orelha e seus pelos descansados qual dormideiras de um gramado fértil. Com o dedilhar sereno de minhas mãos possuí a flora e o pomar de sua imensidão sedutora e todo o jardim se abriu para mim feito rosa menina enriquecida de orvalho matinal oferecendo-me seu doce pólen; desabrochando para receber todo o prazer de um dia especial.  Com risos satisfeitos e envergonhados de uma flor amarela do algodoeiro, até o passeio de meus dedos sobre os melões graúdos e o degustar irresistível de sua pera grã-fina, percebi-me mergulhado num desvario profundo. Esqueci-me de tudo, norteei meus passos, abracei decisivamente aquele universo transformado num anjo criança debruçado ao seio materno que espargia seu (de) leite único.   

2 comentários:

SOL da Esteva disse...

Sérgio

Bela forma de contar a poesia que se vê e lê, estando no meio de uma Feira.
Tudo nos motiva para uma boa História.

Abraços

SOL
http://acordarsonhando.blogspot.com/

Nel disse...

Oi, Sergio!

Escreves como ninguém, meu Poeta! Fico com o olhar cativo em teus textos e viajo neles e por eles! Adoro a forma como escreves!

Beijos meus!

Nel

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas