terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Soneto à Maria Fumaça - por Sergio Martins







Ela voa no alto das montanhas enquanto eu, no vale,
a vejo onipotente no céu de sonhos perfeitos,
gloriosa e eterna sobre esses trilhos mal feitos
do meu olhar que por ela se (des) faz em tempestade.


Bem ao longe desta velha e arruinada estação,
de olhos fechados, já se pode ouvir o seu canto
-feitiço inevitável e crescente-, Maria chegando,
iluminando a lucidez, fumando minha razão.


Por que nunca chega, só passa a estradeira menina
parando minha vida, levando o mundo consigo e
a inteireza dos homens tragados em sua poesia?


Indiferente e sarcástica, ela adentra o túnel antigo com música alegre,
atravessa-o como uma flecha envenenada de saudade,
enfumaçando seu ar de beleza fugaz - dor de um prazer que prossegue.

2 comentários:

lita duarte disse...

Lindo esses versos, Sérgio.

Bjos.

SOL da Esteva disse...

Sérgio

Belo soneto da Maria Fumaça, que nos leva aos mais diversos caminhos.

Abraços

SOL
http://acordarsonhando.blogspot.com/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas