segunda-feira, 13 de maio de 2013

Vida de cozinha - Sergio Martins






Ela fez doce pra mim. Aliás, ela sempre fez doce.
Eu que não sou disso nem daquilo,
também por isso, comi um quilo de sal com ela
e minha comidinha ficou amarga pra chuchu.
Que vida de cozinha - salgada!


Logo eu que tenho um olho no peixe que frita e outro no gato,
muito apressado, comi cru. E isso deu pano pra manga!
Ela se empapuçou de morango graúdo antes de falar muita abobrinha.
Enquanto eu segurava o pepino, deu-me uma banana e bateu a porta na minha cara tão fortemente, que o colar de alho caiu.
Saiu deixando a pia cheia de louça, muito leite derramado e se copo quebrado fosse sinal de sorte, eu seria infinitamente feliz.
Que vida de cozinha - salgada!


Ela pôs água meu vinho, desdenhou meu prato e minha picanha, deixou meu feijão e meu filme queimados, a marmita azeda e me disse que eu preciso é de uma empregada.
Eu que já estava acostumado com meu arroz e feijão e minha rabada, como agora o churrasco de gato, o tutu, o pão que o diabo amassou e esse café amargo ao chorinho de cebola e Pixinguinha.
Que vida de cozinha - salgada!


Vou dar meu jeito, garantir o meu franguinho de Natal,
mas sabe como é, né? Nego põe mais lenha na fogueira, 
fico só vendo os ratos fazendo a festa; só que eu vou arrumar essa salada...
Estou farto de baiacu, canja de galinha, sopa de piranha...
Hoje vou cozinhar o galo em água morna e jantar sozinho; pois
amanhã é outro dia. Dia de feira. E eu vou vender meu peixe!!!
Que vida de cozinha - salgada!

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas