terça-feira, 7 de junho de 2011

Broto de bananeira - parte 4/ final - por Sergio Martins


Enquanto criava o belo jardim em meio à aridez e a poluição desse solo, passei muitas vezes pela esquina do medo. Após o medo, o sabor da conquista. Agora, nos deleites do jardim, deixo meu broto de esperança na terra estéril: vença o trauma que te impede de arriscar, a ideia de inferioridade que obstrui os sonhos, as preocupações demasiadas que sufocam a paz, a preguiça de não fazer um caminho extraordinário para ser trilhado, a timidez em revelar seu eu-interior, a culpa que só atrasa a paz, o medo de desabrochar para o amor... A partir de hoje, sua tarefa é apenas cultivar um clima favorável para o crescimento do broto sem se importar com a ameaça das pragas. Saiba que vencer pode significar morrer por causa da aventura de um viver intenso que tudo arrisca, mas não se ganha um troféu sem se colocar à disposição dos perigos; portanto, ser vitorioso é primeiramente atropelar o medo sem jamais se esquecer do broto: a história que é preciso deixar como sendo uma paradisíaca herança na alma do próximo.

Imagem: http://www.lookfordiagnosis.com/portuguese/

12 comentários:

Balada da minha Alma disse...

Sergio,

o fim é sempre um recomeço.

Beijo imenso.

Carla Fernanda disse...

"Hay que endurecer sem perder a ternura jamais"
Linda mensagem de coragem Sérgio e delicadeza.
Beijos e bom dia!
Carla

lita duarte disse...

Oi, Sérgio.

O medo não pode nos paralisar.

Deixa brotar novas alegrias.

Bjos.

Ana Lucia Franco disse...

Sérgio, que texto lindo, muito sensível, que esse edificante jardim criado na aridez seja perene e lance muitas e muitas sementes na alma do próximo.

bjs.

♥ κєκєl ♥ disse...

Como é belo o olhar que vê no chão seca a fecundação, nas lágrimas a superação e na vida sempre um recomeço. O medo faz parte e é necessário para o crescimento.

beijos

eeblmlibras.blogspot.com

Ma Ferreira disse...

Sergio... adorei suas cronicas. bela mensagem ao final.
Agradeco suas visitas sempre tao gentis a meu blog. Me alegra ver vc por la.
bj
Ma

Smareis disse...

Realmente temos que cultivar os brotos da esperança, sem se importar com nossos medos interiores.Não se ganha um troféu sem se arriscar na vida. O medo faz parte de nossa caminhada. Um abraço meu amigo. Parabéns por mais essa obra poetica.

Patrícia ♥ disse...

Tem selinho pra vc no meu Blog (:

Beijoos!!

http://pathyoliver.blogspot.com/2011/06/selinho-comemorativo-400-seguidores.html

SOL da Esteva disse...

Sérgio

O medo, se controlado, é coisa de muita valia. Torna-nos, verdadeiramente prudentes.
E isso é o início da autoconfiança.

SOL da Esteva
http://acordarsonhando.blogspot.com/

Vieira Calado disse...

E quando der sombra...

que bom é deitar-se à "sombra duma bananeira"!

Forte abraço


*A expressão é de cá.
não sei se vocês a usam. Significa: não fazer nada!

Nel Santos disse...

História linda essa sua! Que vivamos a atropelar os nossos medos para termos sempre uma história para deixarmos como herança.

Beijos.

Parole disse...

e a vida se recria sucessivamente na natureza... novos medos, novos desafios, por isso é sempre bom deixar bons brotos.

Gostei muito dessa comparação.A natureza funciona igual para todos que nela habita.

beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas