sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Soneto aos Ipês de Setembro por Sergio Martins


À bruxaria de teus olhos o estar suave planou,
estendeu-se, regou de orvalho o solo árido
e o sombrio das flores se desfez no cálido
farol de teu gozo: tempo de amor que não voou.

Sobre o calor de tua pele fez-se brisa afetuosa
o meu ser vazio, suas mãos suadas se abrem,
seus cabelos volitam e seus cânticos sobem;
daí termina a agonia desta estrada pedregosa.

Meu corpo destoa e é desconjuntura de atrair dó,
mas se lhe dedilho todo o prazer da alma podes
musicar-me; é quando sou além de uma letra só.

Te vi mui agradecida aos trilhos errantes dessa cidade,
sorrimos felizes iguais Ipês de Setembro e tão logo
atirei as ânsias todas em alto-mar livre da má saudade.

Foto: meu acervo botânico

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas