terça-feira, 24 de agosto de 2010

Soneto ao pássaro do Jardim Novo por Sergio Martins



Vistes o pássaro sumir ao vento do abandono e chorastes
sem fé no amor, e ele voou alto; mas a graça do mundo
e toda sua musicalidade tornar-se-ia gaiola; rio profundo
desaguando em teu rosto e nas artes que com ele criastes.

Ao tempo em que via esvoaçar a flor de sua harmonia
na chuvarada desigual, um novo jardim se abria
em primavera vívida onde a liberdade lhe sorria;
e ele– livre?– desenganou-se daquele ninho de poesia.

Ele semeou muitas siriguelas e abius, comeu milho, amora e curau.
Fartou-se de açaís, pêssegos, figos nobres, e até de melão de São
Caetano; andou entre ameixas, maçãs, tâmaras e luar de sarau.

E nos dias tristes em que degustou e pranteou em meio às Catléias,
soube que apesar de a simples rosa ser senhora do Jardim Novo,
ele já se tornara dependente do hedonismo das Azaléias.

Foto: Google

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas