segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Um dia de psicanalista - parte 1 - Sergio Martins




Entrando a primeira hora da tarde de um dia ensolarado ele acordou mal-humorado e angustiado com tudo. Permaneceu na cama, trancado para si, corpo doendo de tanto estar deitado. Quando não se deitava à tarde pela noite mal dormida, acordava bem cedo por causa dos pesadelos; em suas olheiras se percebia que há muito não dormia bem, apenas cochilava aprisionado pela insônia. O fato é que ele havia me pedido para passar a noite em seu quarto a fim de não ficar a sós com aquela depressão. Até que se levantou e ligou o ar condicionado para amenizar a quentura do corpo, mas logo que o vi voltando para cama na tentativa de dormir novamente, entendi que ultimamente, toda sua trajetória após sair da cama era um grande esforço para negar a realidade, as possibilidades de achar prazer em meio às crises, as melhores coisas da vida que se recebem gratuitamente... Então, no momento em que se acomodou no leito, tentei animá-lo: está um dia tão bonito lá fora...! Sua resposta veio neste lindo protesto de Manuel Bandeira: O sol tão claro lá fora, o sol tão claro, Esmeralda, e em minha alma – anoitecendo.


2 comentários:

Severa Cabral(escritora) disse...

Bom dia meu amigo querido1!!!
Amigo desaparecido...mas foi bom te ver hoje tão cheio de brilhantismo,me trazendo uma crônica muito bem redigida e convidativa para uma leitura esplendida...
bjs de saudades e bjs de reencontro !!!!!

SOL da Esteva disse...

Um texto bem concebido sobre a depressão, o tal bem (mal) que se adquire gratuitamente e sem pedir.
Dá direito a uma bela reflexão.
Parabéns.

Abraços


SOL

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas