sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Olhares lunares - Sergio Martins






Foi-se o mar. Estrelas descansaram. Andorinhas descobrem novos horizontes e a chuva desaba mansamente enquanto me acolho na gélida canção de um vento ansioso.

O barco lança as âncoras, as pegadas somem na areia em que se fragmentam os desenhos e as palavras afetuosas, os pés se afundam na umidade imprevisível, ondas alvoroçadas formam espumas densas - uma breve inquietação pelas questões do amanhã - os carros passam velozes e inconsequentes como as preocupações... E eu só queria estar ali, degustando aquele sabor glorioso, mas você não veio... Deixei de esperar, fui me rebuscar no céu do mar onde a lua que estremecia no balanço da maré alta era a recordação das turbulências do seu olhar...

Outrora, você corria ao meu encontro e eu não deixava de me encontrar apaixonado e quando partias, nossas partes se uniam; hoje, em razão de ser expulso, eu sumo, sua voz desaparece e para o meu anoitecer, nesse mar você se reflete.

Mas é por ingenuidade de te sensibilizar com esse meu jeito de obter novamente aqueles olhares lunares, que no silêncio desse expressar longínquo e desse velejar transoceanico, me torno exaustivo à picotar-te à emoção:

vai-te amar,
vai-te às maresias
para o teu ser libertar!

2 comentários:

Eliseu Fiuza. Acesse: www.eliseufiuza.com disse...

Eu agradeço muito ao Sérgio por ser hoje fotógrafo e músico. Na verdade eu queria ser escritor, mas lendo o que o Sérgio escreve, desisti na hora! He he...

Luna disse...

lembranças memorias que o tempo não apaga
beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas