quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Mais que quatro cores por Sergio Martins

O brilho que cai deste céu irradia suas cores no olhar embaçado – paisagem divina se formando na aridez de um solo abandonado...
A flor se direciona para um céu dócil, dormideiras se amigam com girassóis, aparecem cajus vermelhos entre perfumosas mangas, flores alvas da goiabeira se unem aos brotos do maracujazeiro sobre a pitangueira...
O verde e o azul de um mar rico de amores aparecem no amarelo de um sorriso desfeito na graça de uma clara e apaziguante manhã desse universo de imprevisíveis luzes e sombras...
Ainda que a esperança desça à ala sul da desigualdade carioca, o sentido se mostre perdido nos guetos emocionais, os afetos sumam como o bondinho do Pão de Açúcar no nublado de inverno e a fé pareça mentirosa qual promessa política, sem perder a fantasia de uma criança é possível fazer mais que quatro cores, é crendo em si mesmo que se põe ordem e progresso no íntimo e no caminho, é de cabeça erguida que se vê o Cristo Redentor mesmo no por-do-sol outonal dos solitários, é com outro olhar que se contempla a beleza da Baía de Guanabara ainda que se esteja no farol perdido das madrugadas glaciais dos desorientados; pois, a poesia estará presente na noite estrelada dos namorados acima do solo desidratado do agreste, na arte que sobe ao palco dos brasileiros como um consolo divino em sol e chuva de Março de arco-íris - de casamento feliz... É o ritmo que não se perde, o alimento que fortalece, a majestosa semente que só brota nesta terra negra: é a bola nos pés dos moleques, são as musas dos litorais, as águas mais claras, o chão mais farto, é o eterno sonho sonhado nas noites eufóricas de Fevereiro à Fevereiro, ainda que, inevitavelmente, as quatro cores da bandeira se desbotem.



Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas