quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Soneto para um morto-vivo por Sergio Martins


Por medo da vida, tentei matar a sorte de um amor
crendo que seria infinda a alegria, mas regressei
ao esplendor funéreo e desonroso; me entreguei
à sedutora morte e coroado de flores exalei sua dor.

Na terra lodeira assisti meu íntimo ao frígido pôr-do-sol:
a dureza de seu corpo era minha lápide, suas palavras,
meu epitáfio– prazeres de vinhos, de cigarro e de futebol.

Quando brotaram todas as tristezas dessa pouca sorte,
achei a razão das dores humana: solidão qual música
perene de teu olhar: mata-se a vida por medo da morte.

Todavia, é pelo amor e só, que se tem a gratidão pelo destino,
que se absorve a clareza floral e a graça de uma vida plena, e
pelo amor que dela aceitei, não sei viver pelo que já é falecido.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas