quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Soneto da fonte doce e pura por Sergio Martins



Bebi da fonte doce e pura abaixo do céu fecundo
e a juventude inesgotável germinou,
extinguiu toda a neblina que fechou
a mina dos teus olhos e lábios para o meu mundo.

Foi, é e será somente para mim teus curativos mananciais,
o teu leite de deleite é para meu deleitar de leito,
o freio repentino do prazer que vem de teu peito
inseguro e teu partir-não-partir serão meus abismos astrais.

Não, não era o teu corpo que dali fluía qual bebida
essencial do meu ser, o olhar da manhã limpa era o
enigma de onde brotam suas palavras cuja boa vida,

em mim se faz perene; pois em teu olho-d'água sou rio banal
de água sedenta que corre até ver que é mar estéril e que é
outra a sua nascente: gotas em que sempre bebe o seu fim cabal.

Imagem: http://antoniomoreiradasilva1.blogspot.com/2010_04_01_archive.html

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas