domingo, 7 de novembro de 2010

Soneto ao menino que chora por Sergio Martins


Dormindo em paz, o bebê no colo materno
traz-me a ânsia de reclinar satisfeito
no solo de amor falso deste mundo estreito
onde o não querer ser adulto é sonhar no inferno.

Deitado no chão das esquinas e das praças, o menino flagelado
faz-me - em vão procurar meus pais e a chorar -,
desejá-lo em meus braços e entoar sua canção de ninar
depois de brincar e de vê-lo dormir feliz num leito aquentado.

Quero ser criança. Por isso, sofro com a infância desamparada...
Sou um menino em prantos, refugiado na luz cinza,
amedrontado pelos uivos da floresta à décima segunda badalada...

Mas não é o medo do escuro que assusta, não é a saudade que me aciona;
são os monstros gigantescos, os “mais velhos” infernais; e se sinto as
dores do mundo; é porque o menino abandonado não me abandona.

Foto: http://liebelima.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas