sábado, 13 de novembro de 2010

Soneto à alma penada por Sergio Martins




Diante do retrato, uma alma penada recorda
da magia morta: os brinquedos perdidos
qual esperança em estio- falta que corta
seu prazer- mistério roubando os sentidos.

Em tudo há um espelho refletindo a saudade:
no Jequitibá, nos livros, nos quadros, no mar,
nas primaveras desbotadas em sua idade,
nos invernos em que a solidão fez seu íntimo nevar,

em toda mulher que é tão madrasta quanto uma paixão transcendental,
por isso, ao mesmo tempo se sente um príncipe e um mendigo,
então explode: que vida cheia de Graça é essa que não vale um Real?

Diante do retrato, essa miserável alma penada sempre lamenta:
porque tudo o que me aflige mora neste jardim de beleza?
E finalmente ouve a resposta: quiseste ser poeta, agora agüenta!

Imagem: http://calicevertido.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas