sábado, 9 de outubro de 2010

Bagunça na cozinha por Sergio Martins


De pouco em pouco a feira de “conversa fiada” vai se ajeitando:

- Seu tio é muito chato e tem cara de maracujá velho!

- E você joga futebol descalço, por isso está com os pés cheios de buracos e calos feito doce pé-de-moleque!

- Aquele cara tem a cara toda empipocada, parece até uma barrinha de chocolate com cobertura de amendoim com avelã!

- Aquele cabeçudo ali é um sujeitinho mal criado porque sua mãe é uma “Maria mole” que o deixa fazer qualquer baderna sem falar nada!

- Já eu, se me comporto, minha mãe é um doce, caso contrário, sei que vai ter surra e o meu corpo vai arder igual aos olhos ao receberem o espirro da cebola!

- Pular amarelinha com um menino palerma feito você é canja de galinha e depois, seu rostinho de bebê chorão fica vermelhinho igual a um tomate!

- Tudo bem, mas conte pra turma do nosso beijo na brincadeira de salada mista que você disse ter sido tão bom feito bombom, pois garota fofoqueira feito você não deve guardar segredos e em vez de não ter papas na língua, deveria comer bolo de pimenta com alho...

- Tu é mentiroso, só fala besteira e é mais enjoado do que sopa de jiló!

- Olhos negros são duas jabuticabas, os verdes são esmeraldas... os meus, são azuis de céu bonito e os seus são castanhos esbugalhados igual aos de coruja bisbilhoteira!

- Você é que é um bobalhão, chora para tomar remédio amargo e injeção; só fala abobrinha, tem chulé, perfume de gambá e bafo de leão!

- E garotas mimadinhas que nem você são tão sem graça quanto batata frita sem sal!

- Tá nervoso, vai plantar batatas. Quando tu fica nervosinho parece o cão chupando manga!

- Eu deveria ter ouvido o conselho: quem anda com porco farelo come!

- Cale a boca seu branco azedo; mais parece o fantasma Gasparzinho!

- Opa, opa, opa, opa....! Acabou a discussão! Disse o chefe da cozinha. Quando vocês querem ser uma limonada sem açúcar, não há quem lhes convençam a serem doces de côco, não é?! Bom, agora que já estão mais calmos, vamos chamar a turma toda para colocar a mão na massa. Enquanto gente grande não chega, tem comida de mentirinha, jantar de faz-de-conta e muita coisa a se fazer.

Em poucos minutos, o espaço entre a pia e a mesa ficou sendo a discoteca, houve dança de ratinhos felizes em volta dos queijinhos servidos em palitos de dente, o mamão já estava fatiado ao creme de leite, o alho queimado, o arroz virou papa, mesmo assim, alguém de olho grande acabou papando tudo; fizeram coroa de rei com o chapéu do senhor Abacaxi e carinha de monstro na gigantesca Dona abóbora, com massinha se faz um pastelão, com a varetinha de plástico em cima do caixote de papelão é mamão com açúcar fazer um belo churrasco: o caixote vira churrasqueira e a varinha de plástico é o espeto para carne, a farofa de areia estava “pelando” de tão quente, a massa de salgadinhos era lama de terra, a beterraba, a cenoura e o aipim, como sempre, eram pedacinhos de pau, o baldinho de brincar na praia é o panelão de sopa, a pázinha de areia que serve para apanhar Tatuí na praia é a colher de pau no caldeirão da bruxa nariguda, borracha de apagar lição a lápis é tabletinho de manteiga, dois lápis unidos na mão será o garfo de chinês, alfaces são folhas verdes de amendoeira, agrião é capim, os chás são feitos com mato qualquer e viver nessa cozinha nada mais é do que uma festa deliciosa!

- Me deu uma fome de leão, estou água na boca pela banana d’água!

- Tira a mão daí moleque; vou precisar dessa banana d’água para a sobremesa, essa fruta é do conde, não vai mexer na laranja da terra, hein! O limão é do galego, o bolo de morango é para colocar a vela do meu aniversário, a lama preta é o bolo de chocolate com granulado de areia branquinha com pedrinhas coloridas e essa banana-maçã que sobrou eu é que vou comê-la!

- Se chover, esse imenso cogumelo será o meu guarda-chuva!

- O chocolate quente só pode ser servido se o tempo esfriar, aí a gente faz neve de algodão e espuma de sabão, casaco e cachecol com pano velho e se a chuva não vir das nuvens a gente cria uma chuvarada com a mangueira; dá até para sermos bombeiros!

- Fiquem tranqüilos, há tempo de sobra para muita bagunça! E ainda tem goiabada cascão com casquinha de sorvete feita de isopor pintado, Fruta-Pão com guaraná e café com pão de frutas cristalizadas de pedacinhos de folhas de almaço colorido, suco de acerola com biscoito de água e sal recheado com geléia ou presunto se preferirem!

Era um coreto de carnaval na cozinha, uma salada de doce com salgado, uma mistura muito louca de tutu de tudo o que era comida com muitas outras coisas juntas!

A mesa já estava superlotada de tanta comida e todos dançavam, faziam seus pratos e comiam ao mesmo tempo até que se ouviu um grito: ai meus Deus! A música parou no ato e todos se calaram diante da tragédia: alguém escorregou na casca da banana podre se apoiando na mesa e assim, acabou derrubando tudo.

- Acabou-se o banquete!

- e agora, quem vai arrumar esta bagunça?!

- Já sabendo que voaria torta de glacê para todo lado, um engraçadinho logo respondeu: Olha, eu não sei quem derrubou a mesa, só sei que neste restaurante-discoteca todos são cozinheiro-chefe; sinto muito que não tenha empregados na brincaaaaiii...! O engraçadinho falou demais e nem percebeu que a chuva de torta de glacê já havia começado!

Imagem: http://caideboca.wordpress.com/category/feira-livre/

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas