quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Soneto ao sonho que não acaba - Sergio Martins





Ao teu regaço ofertei o meu amor no ar de Julho.
Deitado e vivo. Sepultado para as dores da frieza
onde na maciez de tuas carícias órfãs de tristeza,
acolhi a solidão: memórias desse velho embrulho.

Ali, nada era como o sol que criei em tua face,
o vento de teu ânimo que veleja em meu mar,
a coragem com que me segues num namorar
melódico e, assim, minha vida é alento de arte.

Não fosse o rosal de teus lábios que assedio
e teu riso milagroso como o eclipse solar,
não seriam florais as margens frias desse rio.

Qual valsa de Strauss é o nosso leito – nosso lar,
sonho que não acaba; teu corpo é dança e sarau
em que minhas noites vazias têm a graça estrelar.


Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas