sábado, 16 de outubro de 2010

Soneto a este pedacinho de terra por Sergio Martins



Em meio às máquinas aceleradas pela síndrome do poder,
a monóxido de carbono, prédios altíssimos e onipotentes,
às ruas dos abandonados pelos olhares indiferentes,
está este pedacinho de terra: delírio, paixão e prazer.

Entre moleques vadios, mendigos, magnatas e astros,
mansões sofisticadas, palafitas sobre valão
à autoridades, religiosos e a contra-cultura da educação,
está este pedacinho de terra: seu rastro, suave espaço - meus pastos.

Bem nos arredores de milhares de pombos na corrida pela sobrevivência,
idosos e doentes com seus maus presságios à bibliotecas e prostíbulos,
está este pedacinho de terra: confiança, estabilidade e permanência.

Num cantinho qualquer dessa grosseria que era floresta sob constelação,
nessa pobre esperança como resto de tempo feliz ante à infância fugidia,
está este pedacinho de terra: imaginação inspirada, silêncio e imensidão.

Foto: http://frases-de.blogspot.com/2009/03/confucio-um-punhado-de-terra.html

2 comentários:

ღPat.ღ disse...

Que lindo.. que especial... bárbaro!
Adoro a natureza e todo pedacinho de terra cuidado ou não!
Falas de um jeito especial em diversas fases, majestoso teu sentir meu querido poeta de encanto.

Deixo-te meu carinho, admiração e beijos...

Ma Ferreira disse...

Sérgio..LIndo o seu poema.
Obrigada pela visita e pelo gentil comentário.
O seu blog me inspira!!
Um dia de paz!!

Ma Ferreira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas