quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Soneto a outro Jardim de Cactus por Sergio Martins


A Rosa Branca embebida de orvalho que beijei com calma,
recriou tua boca faminta ao hálito aromático,
e em inseguras metas e um tanto sorumbático,
inclinei meus lábios vencidos de frio para lavar-me à alma.

Num caso de amor com a vida e à beleza temível,
vi a escuridão de toda minha vida qual tema
fúnebre na lua infeliz feito meu único lema
ao perfume de uma morte incessante e inevitável.

Entorpecente, exalou em mim todo aroma de sua crueldade,
foi-se o pólen de sua inocência espargido pelo ar
semelhante a quem amou (de sua vida, apenas a felicidade).

Deitei em sua terra macia, não percebendo que ali seria o fim
do meu escasso e afável pulsar, pois no Jardim de Cactus,
a Rosa Branca era só mais um espinho perdido– dentro de mim.

Imagem: http://digiforum.com.br/viewtopic.php?p=877418

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas