quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Soneto da definitiva perda por Sergio Martins


Perde-se a vida, ganha-se a batalha!
Pensei eu, apossado de um eu-varonil
que não via oponente mais forte ou vil
neste caminho poético de mar à serra.

Foram então, consecutivos agravantes e ataques,
as intempestivas gélidas, os ardentes veraneios,
os pesadelos e solidão, os copos e corpos cheios
de bebidas fúteis e insensatas e vazias as tardes.

Essa juventude enfraquecida no anoitecer
silente e estranho caía na esperança de
rever e possuir teus olhos ao amanhecer;

contudo, a definitiva perda não é a morte que não falha,
ou o afã do meu olhar. O que foi é o que fica- aforismo
que me abraçou-: perde-se a batalha, ganha-se vida!

Imagem: http://armandoatila.blogspot.com/2010/07/papo-breve-sobre-futebol.html

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas