sábado, 16 de outubro de 2010

Soneto para a cidade grande por Sergio Martins



Não fazem parte de mim tuas ilustres estrelas,
é minha a solidão que vejo em tuas lotadas praças,
e nosso estranho afeto é uma troca de desgraças:
Moramos um no outro - conforto e tristezas.

É todo o meu avesso tua insanidade pela riqueza,
suas portas trancadas, a capa de suas revistas,
suas bolsas de valores - e conceitos- malditas;
eu sou teu outro caminho: Terra fértil e pobreza.

A evolução de tua gente, estética e tecnologia
que tem fome cruel do interior - desse país-,
é a vida que em mim se perde da alegria.

Dessa poluição, inconseqüentemente, somos consorte,
sou cúmplice de sua embriaguez e do seu poder,
porque, na verdade, o que me seduz em ti é a morte.

Foto: Avenida São João - SP/ http://www.piratininga.org/noturnas/noturnas.htm

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas