quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Soneto à Violeta por Sergio Martins



Profano, o vestido afunilado se ergue solto ao vento,
adere-se perfeitamente ao corpo magro
colorindo a palidez da senhorita, e num só trago
do meu olhar que lhe aspira, me é consumido o alento.

Minha fantasia traiçoeira é igual à sua elasticidade
que em segurando a ossatura frágil,
desnuda-lhe à alma num rebate ágil
ao seu desejo de cobrir-se de uma cruel vaidade.

O céu convidativo ao descanso da tarde quente
observa a malévola e onipotente vestimenta da
dama que espera o bonde como uma noiva inerte,

fugitiva e infeliz. A música da noite fosca é viola que viola
a dor da moça que viu o céu perder-se ao lilás-roxo,
e assim, dança festeira na penumbra qual Violeta espanhola.


Imagem: http://www.zaroio.com.br/br/imagem/24201/pintura_campo_animal_mulher_vestido_ceu_noite_lua_/

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visualizadas